domingo, 23 de julho de 2017

Colar de pérolas

Ela havia mexido naquela caixinha onde guardava as suas jóias e decidiu deixar de fora aquele colar de pérolas que andava por ali esquecido e com tanto potencial que tinha.
Pensou no que poderia fazer com ele naquela noite e já na hora de irem dormir...ela ordenou:
"- Chega-me esse colar que está aí."
Ele assim o fez, sem saber o que ela pretendia.
"- Agora pegas nele e vais puxando assim...várias vezes sem parar. - exemplificou ela.
"- Essa tua cabecinha não pára, menina Paloma?" - perguntou-lhe ele.
"- A cabeça pára, o tesão é que me consome..." -murmurou-lhe ela.


quarta-feira, 19 de julho de 2017

Nostalgia

Por vezes um cantinho do nosso cérebro ao qual damos o nome científico de hipocampo ou lobo temporal do cortéx, põe os motores a trabalhar e traz até nós aquilo a que damos o nome de memória, quer a curto, ou a longo prazo. Lembra-se de nos levar a lugares recônditos, escondidos por nós, que foram vividos no passado, aparecendo-nos no presente em forma de nostalgia.
Quando essa  nostalgia decide "atacar-nos", só nos resta lutar contra ela expulsando-a, ou então entregar-mo-nos de corpo e alma e segui-la para onde ela nos quiser levar.
Foi o que fiz, ela apareceu assim do nada, e deixei-me guiar por ela, levou-me ao meu carro, fez com que eu o guiasse, enquanto me sussurrou ao ouvido para pegar naquele cd que ainda permanecia ali ao meu lado, na porta e o pusesse a tocar. Todas aquelas musicas que tantas vezes foram ouvidas em conjunto ou a sós ainda conseguiam provocar em mim um arrepio na espinha.

Pus-me à estrada, deixei-me guiar até aquele local onde se deu o primeiro encontro, estacionei e deixei-me ficar por ali parada ao som da chuva que caía forte lá fora ao mesmo tempo que o cd ainda tocava. 
Fechei os olhos e vivi tudo o que ali se passou há uns anos atrás como se fosse hoje.

Sorri ao recordar aquele nosso nervoso miudinho quando convidei alguém para entrar no meu carro pela primeira vez.

Sorri quando recordei aquela minha tentativa de beijar esse alguém, sim, fui eu a que me atirei de cabeça...quando na realidade essa pessoa queria tanto ou mais que eu. Foi algo tão único, tão indescritível que só quem viveu algo do género me irá compreender. E presumo não ter sido a única a viver algo assim.

Sorri, quando recordei aquela vez em que fui ali parar de saia e sem cuecas e tivemos que acabar tudo num outro lugar mais adequado...que loucura.

Sorri, ao recordar todas as vezes que aquele carro foi o local escolhido para nos aliviarmos de todas as tensões e tesões.

Sorri, porque sabia que me aventurei a viver de uma forma que nem todos teriam coragem de o fazer, forma essa que me fez bem ao ego, à minha forma de ser e ver as coisas. Cresci  e aprendi a ver as coisas numa outra perspetiva que poucos alcançarão.

Sorri, porque não me arrependi de nada do que fiz e se voltasse atrás, faria tudo da mesma forma, simplesmente me deixaria ir.

Mas também chorei...
Chorei, sem saber muito bem a razão que me levava a chorar.
Talvez porque decidi acabar tudo isso. Talvez porque agora não encontrava nada nem ninguém à altura de tudo aquilo que se viveu e sentiu. Talvez porque sabia que a qualquer instante eu poderia recomeçar tudo com a mesma pessoa, mas ao mesmo tempo a minha razão, dava-me um safanão querendo alertar-me para ficar quieta.

Chorei, porque sabia que essa pessoa ainda sofria com o meu afastamento, mas mesmo assim, continuava ali, todos os dias para me dar os bons dias.

Chorei, porque desde então não consegui mais ser a mesma aventureira destemida de outrora.

E voltei a sorrir de novo, porque sabia que era uma felizarda na vida, e que apesar de tudo o que vivi não magoei ninguém com as minhas decisões. 
Desde sempre soube que era preciso usar a inteligência da mesma forma que ao mesmo tempo  se usava a audácia, para que tudo desse certo, e agora tinha a certeza que de facto foi essa a minha melhor regra que estabeleci para mim própria.

São dias como estes, nostálgicos que nos levam a pensar melhor em tudo o que fomos e somos. E ainda naquilo que um dia queremos ser. 
Ser vivos, e não apenas sermos seres existentes à face da terra.


Attention


terça-feira, 18 de julho de 2017

18 de julho

E visto que hoje é o dia internacional do piquenique, porque não, tirar uma folga, ou um dia de férias e ir piquenicar?
Arranjem companhia, porque um piquenique sozinho não tem piada, peguem na mantinha que costuma andar na mala do carro e...bora lá, não tenham medo das formigas, nem das ratas.
Piqueniquem-se!


segunda-feira, 17 de julho de 2017

O prometido é devido

7 horas da manhã, o despertador toca...era domingo, mas alguém ali tinha que ir trabalhar.
A noite de sono havia sido curta e o corpo pedia mais cama.
Ele levantou-se, rumou à casa de banho para tratar da sua higiene pessoal, enquanto ela ainda dormia, (julgava ele), mas  ela também havia acordado com o som do despertador. Sabia que podia dormir mais umas horas se assim quisesse, mas o corpo embora que ainda meio dormento, pedia-lhe algo, ao qual ela tentou ocultar. Pegou no tlm, passou os olhos pelo face e nisto o seu companheiro sai do wc, todo fresquinho e cheiroso, já de banho tomado. Ele vendo-a ali na cama, toda nua e já acordada, deitou-se de imediato ao pé dela já de pau feito e murmurou:
"- Estás a dever-me um broche!"
Ela sabia que sim, era verdade, aposta ganha por ele no dia anterior.
Não se fez de rogada, nem esquisita , apenas lhe disse:
"- Ainda não escovei os dentes."
"- Não importa." - disse-lhe ele.
Pôs-se de quatro, de cu empinado como uma profissional do prazer e leva a sua boca até àquele pau duro, chupa-o, lambe-o, suga-o, sempre seguido com a intenção de o fazer vir.
Ele, generoso como sempre (ou quase), diz-lhe:
"- Anda para cima de mim, sei que também queres."
Ela assim o fez e num ápice atingem os dois um orgasmo naquela manhã assolarada e ventosa de domingo, onde naquela aldeia tudo parecia estar a dormir e eles acabavam apenas a sua primeira foda do dia, sim, porque ficou a promessa de continuar...esta havia sido rápida demais.


terça-feira, 11 de julho de 2017

segunda-feira, 10 de julho de 2017

domingo, 9 de julho de 2017

Olh'ó padeiro

Pois, os padeiros também têm um dia dedicado a eles e pelos vistos foi ontem, dia 8 de Julho.
Olhem-me só que bela padaria!!!
Se não o fizeram ontem, hoje em especial, usem e abusem da(s) vossa(s)!


sexta-feira, 7 de julho de 2017

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Pesadelo

A meio da noite estás num sono profundo e és "beliscada" com uma espécie de pesadelo que tudo tinha para ser um sonho excitante. Só que não.
Sonhas com um homem que te deu (e que por acaso ainda te dá tesão), mas o gajo não consegue levantar o pau. 
Porqueeeê?
Porquê a mim, que gosto tanto de ser fodida em sonhos...e não só!
Estarei a perder qualidades?!


quarta-feira, 5 de julho de 2017

Adivinha

Qual é coisa qual é ela que pode ser feita muitas vezes, poucas ou nenhumas? 
Diverge de pessoa para pessoa conforme os apetites e as idades.
Estou a falar de....
De...masturbação!

E hoje é dia mundial desse acto que nos deixa felizes, nem que seja por breves momentos.
Vá, se ainda não o fizeram hoje, façam-no!








terça-feira, 4 de julho de 2017

Preparação pré-férias

Meus amigos, ainda não estou de férias, só para o início do mês que vem, mas já ando a trabalhar para o bronze numa espécie de estágio para as ditas, tão desejadas. Como tal, este mês e o mês que vem, andarei menos vezes por aqui para que possa desfrutar ao máximo do verão que tanto gosto.
Por isso, não estranhem a minha ausência!

E façam o favor de serem felizes.